Gonzaguinha: O Eterno Aprendiz

Musical assistido por 12 mil pessoas é uma versão poética da vida e da obra do cantor e compositor Gonzaguinha

O musical GONZAGUINHA: O ETERNO APRENDIZ, que demonstra profunda admiração e respeito pela obra de um dos maiores compositores e intérpretes brasileiros, que nos deixou há quase 30 anos, será apresentado na Cinelândia, no dia 21 de junho, sexta, às 19h30. No palco, o ator Rogério Silvestre dá vida ao personagem central, o próprio Gonzaguinha, interpretando um texto poético que passeia por momentos marcantes da vida do cantor e compositor carioca; como a infância no Morro de São Carlos (RJ), os primeiros passos na carreira artística, os embates com a ditadura militar e a relação conflituosa com o pai, o rei do Baião, Gonzagão.

A concepção de Kleber Lincoln e Amaury Vieira o espetáculo é uma especie de dois em um: há momentos em que o ator vive Gonzaguinha em monólogo; e no outro, três cantores e uma banda relembram os sucessos do compositor. 

O espetáculo realizado no Teatro Rival Petrobras apresenta 16 canções assinadas pelo próprio Gonzaguinha – “Explode Coração”, “Recado”, “Começaria Tudo Outra Vez”, “Moleque”, “Sangrando”, “O Que é o Que é?”, “Ponto de Interrogação”, “Eu Apenas Queria Que Você Soubesse”, “Com a Perna no Mundo”, “Grito de Alerta”, “De Volta ao Começo”, “Palavras”, “É”, “Diga Lá, Coração”, “Espere por Mim, Morena” e “Vamos à Luta” – que misturam xote, samba, baião e música romântica que foram gravadas pelos maiores nomes da nossa MPB, como Maria Bethânia, Simone, Joanna, Zizi Possi, Raimundo Fagner, Ângela Maria, Cauby Peixoto  e o próprio Wagner Tiso que já participou algumas vezes do espetáculo.

Gonzaguinha morreu aos 45 anos, em 1991, deixou obra extensa muito alinhada aos anseios de sua geração, mas que passadas quase três décadas ainda respira os desejos de muitas pessoas.

O musical é uma versão poética da vida e da obra do cantor e compositor Gonzaguinha e conta, além de Rogério Silvestre, com os cantores Paulo Francisco ‘Tutuca’, Bruna Moraes e Nathallie Alvin e os músicos Rafael Toledo (Guitarra, violão e voz), Alcione Ziolkowski (bateria), Omar Fontes (teclados), Buga Júnior (sax, flauta e cavaquinho) e Dudu Dias (baixo). 

Com o intuito de preservar a memória desse ícone da MPB, o espetáculo une artes cênicas e música para apresentar passagens da vida do artista que iniciou sua trajetória na década de 1960 em meio aos tropeços da ditadura militar e seguiu cantando seus amores e anseios pela vida. 

Os temas que integram o musical também evidenciam como o compositor, numa constante busca, foi um dos poucos a falar com tanto domínio poético e olhar crítico sobre o morro, as questões sociais e o amor, recorrendo sempre a diferentes linguagens e ritmos, como o samba, o bolero e o baião. Seus sambas, de inspiração contagiante, à exemplo de “O Que é, o Que é?”, são um retrato fiel da alma brasileira.

Serviço

Teatro Rival Petrobras – Rua Álvaro Alvim, 33/37 – Centro/Cinelândia – Rio de Janeiro. Data: 21 de junho (sexta). Horário: 19h30. Abertura da casa: 18h. Ingressos: R$ 70,00 (Inteira), R$ 35,00 (meia-entrada). Venda antecipada pela Eventim – http://bit.ly/TeatroRival_Ingressos2GIaEKp  Bilheteria: Terça a Sexta das 13h às 21h | Sábados e Feriados das 16h às 22h Censura: 18 anos. www.rivalpetrobras.com.br. Informações: (21) 2240-9796. Capacidade: 350 pessoas. Metrô/VLT: Estação Cinelândia.

*Meia entrada: Estudante, Idosos, Professores da Rede Pública, Funcionários da Petrobras, Clientes com Cartão Petrobras e Assinantes O Globo

Seja o primeiro a comentar