Brasileiros preferem baixar aplicativos gratuitos de entretenimento

O brasileiro tem um modo peculiar e específico de se relacionar com os aplicativos de celular. Do total de downloads realizados, somente 0,12% são de aplicativos pagos. Esse levantamento feito pela BigData Corp., encomendado pelo PayPal, confirma que no Brasil a população prefere apps gratuitos.
“A internet brasileira já ‘aprendeu’ que seu internauta exige aplicativos gratuitos. Nos raros casos em que o brasileiro paga por um aplicativo, ele custa, no máximo, R$ 16. Apenas 0,87% dos apps baixados no Brasil cobram mais do que isso” – Thoran Rodrigues, CEO e fundador da BigData Corp..

Os campeões de preferência são os de Entretenimento (8,5%), Educação (8,43%), Estilo de Vida (6,51%) e Música e Áudio (6,33%). Desta lista, todos têm uma característica em comum: podem ser baixados gratuitamente. Esse quadro se dá em um momento no qual praticamente se universalizou o uso de celular e smartphone na sociedade. É importante notar que os aplicativos começam a se firmar como canais de venda. Uma grande tendência em tecnologia para 2018.

“É importante notar que os aplicativos começam a se firmar como canais de venda. Este ano, vemos que um a cada dez (9,7%) já oferece produtos ou serviços à venda. Essa é uma tendência que deverá se intensificar nos próximos anos e que merece especial atenção para quem planeja usar a internet para vender. Por isso o PayPal trabalha, incansavelmente, para oferecer soluções inovadores no universo mobile porque o smartphone está se tornando o controle remoto do mundo” – Thiago Chueiri, diretor de Desenvolvimento de Negócios do PayPal Brasil.

E equipes de Comunicação e Marketing Digital, além de empresas desenvolvedoras de sistemas já estão atentas a esse cenário, sobretudo quando o assunto é auxiliar a impulsionar negócios por meio da venda via aplicativos. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), indicam que, em 2016, em 92,3% dos domicílios havia pelo menos um morador com aparelho celular e/ou smartphone. O número de smartphones em uso no Brasil bateu os 200 milhões em 2017, segundo dados da FGV-SP. E deve atingir 236 milhões em 2018. Nada mais lógico, portanto, que o mercado de apps também cresça, na esteira do sucesso do universo mobile.

Confira o resultado do levantamento, feito em outubro do ano passado:

Novidades

• Segundo o levantamento da BigData Corp., menos de dez por cento (9,13%) dos apps têm mais de 100 mil downloads. Isso significa que a maioria é usada por “tribos” relativamente pequenas de usuários, que se identificam com temas específicos, compondo nichos de mercado. O fenômeno está em linha com a tese de “long tail”, ou cauda longa, de Chris Anderson, autor do livro A Cauda Longa: Do Mercado de Massa para o Mercado de Nicho. Nela, o autor explica por que os produtos com baixa demanda na web podem compor, em seu conjunto, um volume de vendas expressivo, muito maior do que a comercialização dos itens campeões de venda.

• Entre os downloads efetivamente realizados em 2017, apenas 0,12% são de aplicativos pagos. Faz todo o sentido, portanto, que somente 5,43% dos apps disponíveis (independentemente da quantidade de downloads) na web sejam pagos. Todo o restante (94,57%) é gratuito. A tendência não é nova. No ano passado, o índice de apps gratuitos já era de 90,98%.

• De forma geral, as opções de aplicativos em oferta na web brasileira agradam: 55,71% de seus usuários pontuam seus apps com as notas máximas 4 e 5; e outros 22,58%, com as notas 3 e 4. Apenas 6,25% dos brasileiros dão notas abaixo de 3.

• O mercado de aplicativos no País ganhou músculos. Um dos indicativos é a frequência das atualizações feitas nos seus lançamentos. Em setembro, a BigData Corp. registrou mais de 9 mil atualizações em um único dia. As atualizações diárias em 2016 raramente ultrapassavam mil modificações por dia.

• Por fim, vale mencionar que os comentários deixados por usuários com críticas, elogios e análises sobre os aplicativos oferecidos ainda é um hábito tímido entre os brasileiros: 69,39% dos apps têm menos de 50 reviews no Brasil. Os mais populares, com mais de 50 mil comentários, são 0,54% do total.

Seja o primeiro a comentar