Restaurante mais antigo do mundo luta para não fechar

O Restaurante Botín, o mais antigo do mundo segundo o Guinness World Records, acumula quase 300 anos de história. Acostumado a receber milhares de turistas, está às moscas em pleno verão europeu. O restaurante sobreviveu pela Guerra Civil Espanhola e agora passa pelo COVID-19.

“A verdade é que foi um golpe muito duro e que surpreendeu todos. Nunca havíamos fechado antes. Nem mesmo durante a Guerra Civil Espanhola, de 1936 a 1939. Meu avô continuou alimentando os civis e militares enquanto via as bombas caírem. Agora estamos tentando correr atrás do prejuízo para que esses 295 anos de história permaneçam vivos”, afirma o gerente Antonio González.

Mercado San Miguel e Botín: duas receitas de sucesso em Madri - Viajar pelo  Mundo

Historia do Restaurante

O prédio onde está instalado data do fim do século XVI. Foi pouco depois disso, por volta de 1620, que um cozinheiro francês chamado Jean Botin se estabeleceu na região central de Madri. Ele tinha a intenção de trabalhar para algum nobre, uma vez que a corte espanhola tinha chegado à atual capital há pouco tempo. Em 1725, o sobrinho de Jean Botin, Candido Remis, abriu uma pequena pousada com restaurante ali na Calle Cuchilleros.

Botín | Turismo Madrid

A tradição é muito valorizada no Botín (também chamado de Casa Botín) e a estrutura do restaurante ainda é a mesma de quando foi fundado. O menu também não sofreu muitas alterações.

Ao longo de todos esses anos, muitos personalidades passaram pelo estabelecimento. Dizem que Goya, o famoso pintor espanhol, trabalhou como garçom por lá. Hemingway, o escritor americano, era frequentador assíduo (tudo comprovado com evidências no restaurante), como já mencionamos lá em cima.

botín

O local foi fechado em 14 de março, quando a Espanha decretou o estado de alarme no país e, consequentemente, toda a população foi confinada. No dia 1.º de julho, o Botín voltou a funcionar. O faturamento pós-reabertura, entretanto, não chegou nem perto dos anos anteriores. Sem os habituais turistas, Madri se transformou numa cidade de pouco movimento.

“Tem muitos hotéis de luxo e albergues na Plaza Mayor. É um local turístico. Com um número bem menor de estrangeiros hospedados na região, principalmente os ingleses e alemães, perdemos grande parte do nosso público”, diz González.

Por enquanto, o Botín não precisou demitir nenhum dos 75 funcionários. Tudo porque o governo de Pedro Sánchez, primeiro-ministro da Espanha, proibiu as empresas de despedir seus empregados durante a crise. A coalizão de esquerda subsidiou uma espécie de desemprego temporário, que é pago pelo Estado.

o restaurante mais antigo do mundo: sabor e história

Pensamento positivo

O restaurante quatro estrelas reabriu as portas no dia 1º de julho, recebendo somente uma parte dos clientes que costumava receber antes da doença. González disse que eles costumavam servir até 600 pessoas por dia, agora atendem cerca de 60. Mas ele não se deixa abater e planeja estabilizar as perdas da melhor forma que puder, focando no futuro. 

“Não vejo a hora de sair dessa crise e ser mais forte e melhor que antes”, afirmou. “É uma oportunidade fantástica para refletir e melhorar que pudermos.”

Seja o primeiro a comentar