Restaurante italiano mostra como o cérebro fica após uso de drogas

O restaurante “I Love Cocaine” (ILC – Eu Amo Cocaína) em funcionamento na cidade de Montichiari, no norte da Itália, virou atração turística. O nome é deliberadamente provocativo e pode causar certo desconforto em quem fala sobre isso, mas tudo tem um motivo: recordista no consumo de cocaína – são em média 14 doses diárias a cada mil habitantes, segundo recente pesquisa oficial do Ministério da Saúde italiano – a cidadela, de 25 mil habitantes, supera o uso de drogas que acontece em Milão. Como forma de alertar os usuário de entorpecentes, a decoração ilustra danos provocados pela droga ao cérebro humano.

Restaurante I Love Cocaine - Italia - Fotos_Andrea Dal Prato (5)No lugar das várias mesas tradicionais em outros lugares,  o restaurante tem uma única e longa bancada representando a sinapse, a atividade cerebral dos neurônios. Os monitores nas paredes não transmitem programação de emissoras de TV, mas sim depoimentos de ex-viciados em drogas. Já na parede de 8 metros quadrados flutua a “projeção” das mentes dos frequentadores. que podem personalizar a própria imagem do cérebro em duas dimensões, fotografá-la com um tablet e projetá-la em 3D. A experiência ainda simula a reação dos neurônios ao uso da cocaína. Quando o usuário passa a mão sobre algumas fileiras de farinha branca dispostas numa bandeja no final da parede, o sistema eletrônico é acionado e uma “chuva virtual” de cocaína invade o monitor. Em seguida, o cérebro do usuário entra numa espécie de curto-circuito e implode na tela.

Restaurante I Love Cocaine - Italia - Fotos_Andrea Dal Prato (6)Ermanno Preti, designer do ambiente, disse em entrevista a BBC Brasil que “não sabem se o local ficará vazio ou lotado”. Segundo ele, é difícil administrar um espaço assim, com esta proposta”. Já o proprietário do “I Love Cocaine”, Mino Dal Dosso, disse que no início do projeto se sentiu inseguro. “Depois abracei o projeto, que passa uma importante mensagem ética e social, num lugar público.”, explica Dal Dosso, que também é dono do restaurante gourmet Dal Dosso Salamensa, sempre em Montichiari.

Proposta

Restaurante I Love Cocaine - Italia - Fotos_Andrea Dal Prato (4)Pela manhã, o lugar abrirá as portas para encontros com estudantes das escolas vizinhas para debater o uso de drogas, com palestras de pesquisadores e estudiosos sobre o tema. Depois dos alunos, entrarão os clientes para uma experiência gastronômica. O I Love Cocaine custou quase 2 milhões de euros (R$ 60 milhões) e tem um cardápio tradicional com massas, carnes e verduras.

Restaurante I Love Cocaine - Italia - Fotos_Andrea Dal Prato (2)Aberto um mês antes do começo da crise de 2008, tem atualmente 40 empregados e dobrou o faturamento. “Achamos que este conceito ético e social (do restaurante) pode funcionar em outros países. Registramos a marca e estamos procurando novos mercados.”, finalizou Mino Dal Dosso.

Uma campanha de marketing de guerrilha que precedeu a abertura e o uso das hashtags #ILoveCocaine #UrbanAttacks atraiu milhares de seguidores e, ao que parece, o ILC prepara-se para se instalar em Londres e Berlim.

Restaurante I Love Cocaine - Italia - Fotos_Andrea Dal Prato (10) Restaurante I Love Cocaine - Italia - Fotos_Andrea Dal Prato (9) Restaurante I Love Cocaine - Italia - Fotos_Andrea Dal Prato (8) Restaurante I Love Cocaine - Italia - Fotos_Andrea Dal Prato (3) Restaurante I Love Cocaine - Italia - Fotos_Andrea Dal Prato (1) Restaurante I Love Cocaine - Italia - Fotos_Andrea Dal Prato (7) Restaurante I Love Cocaine - Italia - Fotos_Andrea Dal Prato (6)

Fotos: Andrea Dal Prato

Seja o primeiro a comentar